Yay, the left won! Or did it?

Originally published on politi.kov

I have been asked by a bunch of friends from outside of Brazil for my opinion regarding the recent elections we had in Brazil, and it is a bit complicated to explain it without some background, so I decided to write this piece providing a bit of history so that people can understand my opinion.

The elections this year were a rematch of our traditional polarization between the workers party (PT) and the social democracy party (PSDB), which has been going on since 1994. PT and PSDB used to be allies. In the 80s, when the dictatorship dropped the law that forbade more than 2 parties, the opposition party, MDB, began breaking up in several smaller ones.

PSDB was founded by politicians and intelectuals who were inspired by Europe’s social democracy and political systems. Parliamentarism, for instance, is one of the historical causes of the party. The workers party had a more grassroots origin, with union leaders, marxist intelectuals and marxist-inspired catholic priests being the main founders. They drew their inspiration from the USSR and Cuba, and were very close to social movements.

Lula and FHC campaigning together in 1981, by Clóvis Cranchi Sobrinho
Lula (PT) and FHC (PSDB) campaigning together in 1981, by Clóvis Cranchi Sobrinho

Some people have celebrated the reelection of Dilma Roussef as a victory of the left against the right. In my opinion that view is wrong for several reasons. First, because I disagree that PSDB and Aécio Neves in particular are right-wing, both in terms of economics and social/moral issues. Second, because I believe Dilma’s first government has taken a quite severe turn to the right in several topics that matter a lot to me. Since comparisons with PSDB’s government during the 90s has been one of the main strategies of the campaign this year, I’ll argue why I think it was actually a pretty good government with a lot of left in it.

Unlike what happens in most other places, Brazil does not really have an actual right-wing party, economics-wise. Although we might see the birth of a couple in the near future, no current party is really against public health, education and social security being provided by the state as rights, or wants to decrease state size and lower taxes significantly. It should come as no surprise that even though it has undergone a lot of liberal reforms over the last 20 years, Brazil is still a very closed country, with very high import tariffs and a huge presence of the state in the economy. There is a certain consensus about all of that, with disagreements being essentially on implementation details, not goals.

On the other hand, and contrary to popular belief, when it comes to social and moral issues we are a very conservative people. Ironically, the two parties which have been in power over the last 20 years are quite progressive, being historically proponents of diversity, minorities rights, reproductive rights. They have had to compromise on those causes to become viable alternatives, given the conservative nature of the majority of the voters.

Despite their different origins and beliefs, both parties share socialist inclinations and were allies from the onset. That changed in 1992, when president Collor, who had been elected on a runoff against Lula (who PSDB supported), was impeached by Congress for corruption. With no formal political support and a chaotic situation in his hands, Itamar Franco, the vice president, called for a “national union” government to go through the last two years of his term. PSDB answered the call, but the workers party decided against being part of the government.

Fernando Henrique Cardoso, a sociologist who was one of the leaders of PSDB was chosen to lead the Foreign Relations Ministry, but a few months later got nominated to the Economy. At the time, Brazil lived under hyperinflation of close to 1000% a year, and several stabilization plans had been attempted. Economy Ministers did not last very much in office at the time. FHC gathered a team of economists and sponsored their stabilization plan, which turned out to be highly successful: the Plano Real (“Real Plan”). In addition to introducing a new currency, something that was becoming pretty common to Brazilians by then, it also attacked the structural causes of inflation.

Lula was counting on the failure of the Plano Real when he ran against FHC in 1994, but the plan succeeded, giving FHC two terms as president. During those two terms, FHC introduced several institutional changes that made Brazil a saner country. In addition to the hyperinflation, Brazil had lived a debt crises for decades and was still in default. FHC’s team renegotiated the debts, reopened lines of credit, but most importantly, introduced reforms that made the Brazilian finances and financial system credible.

The problem was not even that Brazil had a fiscal déficit, it just did not have any control whatsoever of money supply and budget. Banks, regardless of whether they were private or public, had very little regulation and took advantage of the hyperinflation to hide monstrous holes in their balances. When inflation was gone and regulation became more strict, those became apparent, and it was pretty clear that the system would collapse if nothing was done.

Some people like to say that FHC was a president who ruled for the rich and didn’t care about the poor. I think the way the potential collapse of the banking system was handled is a great counter-example of that. The government passed laws that made the owners of the banks responsible for the financial problems, regardless of whether caused by mismanagement or fraud. If a bank went under, the central bank intervened and added enough money to protect the deposits, but that money was a loan that had to be repaid by the owners of the bank, and the owners’ properties were added as collateral to the loan. As a brazilian journalist once said, the people did not risk losing their deposits, the bankers did risk losing the banks, though. Today, we have a separate fund, filled with money from the banks, that does what the central bank did back then when required.

Compare that to countries where the banking system was saved with tax payer money and executives kept getting huge bonuses regardless, while owners kept their profits. It is hard to find an initiative that is more focused on the public interest against the interest of the rich people who caused the problem. This legislation, called PROER, is still in place today, and it came along with solid regulation of the banking system. It should come as no surprise that Brazil went through the financial crisis of 2008 with not a single hiccup of the banking system and no fear of bank runs. Despite having been against PROER back in the day, Lula celebrated its existence in 2008, when it was clear it was one of the reasons we would not suffer much. He even advertised it as something that should be adopted by the US and Europe.

It is also pretty common to hear that under FHC social questions were not a priority. I believe it is pretty simple to see that that was not the case both by inspecting the growth of social spending and the improvement of social indicators for the period, such as UN’s human development index. One area in which people are particularly critical of the FHC government is the investment on higher education, and they are actually quite right. Brazil has free Federal universities and those did not get a lot of priority in the 90s. However, I would argue that while it is a matter of priorities, it is not one of education versus something else, but rather of what to invest on inside education. The reality is basic education was the priority.

When FHC came to power, Brazil had a significant number of children who were not going to school at all. The goal was to make access to schools universal for young children, and that goal was reached. Every child has been going to school since the early 2000s, and that is a significant achievement which reaches the poorest. While the federal universities are attended essentially by the Brazilian elite, given the difficulty of passing the exams and the relative lack of quality of free public schools compared to private ones, which is still a reality to this day, investment on getting children to even go to school for the early years has a significant impact on the lives of the poorest.

It is important to remember that getting every child to go to school is also what gave birth to one of the most celebrated programs from the Lula era: Bolsa Família (“Family Allowance”) is a direct money transfer to poor families, particularly those who have children and has been an important contribution to lowering inequality and getting people out of extreme poverty. To get the money, the families need to ensure their children are 1) attending school and 2) getting vaccinated.

That program comes from the FHC government, in which it was created with the name Bolsa Escola (“School Allowance”), in its turn inspired by a program of the same name by governor Cristovam Buarque, from PT. What Lula did, and he deserves a lot of credit for this, was to merge a series of smaller programs with Bolsa Escola, and then expand the program to ensure it got to more and more people. Interestingly, during the announcement of the program he credited the idea of doing that to a state governor from PSDB. You can see why I think these two should be allies again.

When faced with all these arguments, people will eventually say that FHC was bad because he privatized companies and used orthodox economic policies. Well, if that is what it takes, then we’ll have to take Lula down with him, because his first term was essentially a continuation of FHC’s second term: orthodox economic policies to keep inflation down, along with privatization of several state-owned companies and banks. But Lula, whom I voted for and whose government I believe was a good one, is not my subject: Dilma is.

On Lula’s second term, Dilma gained a lot of power when other major leaders of PT went down for corruption. She became second in command and started leading several programs. A big believer in developmentalism, she started pushing for a bigger role of the state in the coordination of the productive sector, with a clear focus on growing the industrial base.

One of the initiatives she sponsored was a sizable increase on the number and size of subsidized loans given out by the national development bank (BNDES). Brazil started an unnofficial “national champions” program, where the government elected a few big companies to get a huge amount of subsidized credit.

The goal was for these selected firms to get big enough to be competitive on the global market. The criteria for the choices is completely opaque, if it even exists, and includes handing out milions in subsidized credit for Eike Batista, who became Brazil’s richest enterpreneur for a while, and lost pretty much everything when it became clear the oil would not be pumping out of his camps after all, sinking with them a huge amount of public funds invested by BNDES.

The way this policy was enacted, it is unclear how much it really costs in terms of public funds: the Brazilian treasury emits debt to capitalize, lends that money to BNDES with higher than market interest, and BNDES then lends it out to the big companies with a lower than market interest rate. Although it is obviously unsustainable, the problem does not yet show in the balance because the grace period for BNDES debt with the treasury is 2040. The fact that this has a cost and, perhaps more importantly, a huge opportunity cost is not clear because it is not part of the government budget. Why are we putting money in this rather than quadrupling Bolsa Família, which studies show generates 1,78 reais in GDP for every 1 real invested? Worse, why are we not even updating Bolsa Família enough to cover inflation?

When Dilma got elected in 2010, the first signs were pretty bad. She was already seen as someone who did not care much for the environment, and on her first month in power she made good on that promise by pushing to get the Belo Monte Dam building started as soon as possible regardless of conditionalities being satisfied. To this day there are several issues with how the building of the dam is going: the handling of the indigenous people and the small city nearby are lacking, conditionalities are not met.

Beyond Belo Monte, indigenous leaders are being assassinated, deforestation in the Amazon forest has increased by 122% in 2014 alone. Dilma’s answer to people who question her on these kinds of issues is essentially: “would you rather not have electric power?”

Her populist authoritarian nature and obsession with industry are also pretty evident when it comes to her policies in the energy area as a whole. She showed up in national tv on the eve of our independence day celebration to announce a reduction in electric tariffs, mainly for industry, but also for homes. Nobody really knew how. The following week she sent a fast-track project to Congress to automatically renew concessions of power grid operators, requiring those who accepted it to lower tariffs, instead of doing an auction, which was already necessary anyway because the concessions were up on 2015. There was no discussion with stakeholders, there was just a populist announcement and a great deal of rhethoric to paint anyone who opposed as being against the people.

And now, everything went into the crapper because that represented a breach of contract that required indemnification, and we had a pretty bad drought that made power more expensive given the need to turn on the thermal generators. Combining the costs of the thermal generation, indemnity, and financial fallout that the grid operators suffered, we are already at 105 billion reais and counting, nobody knows how high the cost will reach. Any reduction in tariffs has long been invalidated. And the fact that industry has lowered production significantly ends up being good news, we would probably be under rationing already if that was not the case.

You would expect someone who fought a dictatorship to be pretty good in terms of human and civil rights. What we see in reality is a lack of respect for those things. During the world cup, Dilma has put the army on the streets and has supported arbitrary behaviour from state polices throughout the country. They jailed a bunch of demonstrators preemptively. No shit. The would be demonstrators were kept in jail throghout the tournament under false accusations. Dilma’s Minister of Justice said several times that the case against them was solid and that the arrests were legal, but it turned out the case simply did not exist. Just this week we had a number of executions orchestrated by policemen in the state of Pará and there is zero reaction from the federal government.

In the oil industry, Dilma has enacted a policy of subsidizing gas prices by using a fixed price that used to be lower than the international prices (it is no longer the case with the fall in international prices). That would not be a problem if Brazil was selfsufficient in oild and gas, which we are not: we had to import a significant amount of both. The implicit subsidy cost Petrobrás a huge amount of cash – the more gas it sold, the bigger the losses. This lead not only to decreasing the company’s market value (it is a state-controlled, but open company), but to reducing its capacity of investment as well.

That is more problematic than it sounds because, with our current concession model, every single oil camp needs to have Petrobrás as a member of the consortium. Limiting the company’s investment capacity limits the rate at which our pre-salt oil camps can be explored and thus the speed at which we can become selfsufficient. Chicken and egg anyone?

To make things worse, Dilma has made policies that lowered taxes on car production, used to foster economic activity during the crisis in 2008-2010, essentially permanent. This lead to a significant increase in traffic and polution on Brazilian cities, while at the same time increasing the pressure on Petrobrás, which had to import more and more gas. Meanwhile, Brazilian cities suffer from a severe lack of mobility infrastructure. A recent study has shown that Brazil has spend almost twice as much subsidized money on pro-car policies than on pro-mass transit projects. Talk about good usage of public funds.

One of the only remaining good news the government was still able to mention was the constant reduction in extreme poverty. Dilma was actually ellected promising to erradicate extreme poverty and changed the government’s slogan to “A rich country is a country with no poverty” (País rico é país sem pobreza). Well, it turns out all of these policies caused inequality and extreme poverty both to stop falling as of 2013. And given the policies were actually deepened in 2014, I believe it is very likely we’ll see an increase in both when we get the data for 2014, next year.

Other than that, her policies ended up being a complete failure. Despite giving tax benefits to several sectors, investment has fallen, growth has fallen and inflation is quite high at 6,6% for the last 12 months. In terms of minorities, her government has been a severe set back, with the government going back on educational material against homophoby saying it would not do “advertisement of sexual choice”, and going back on a decree that allowed the public health system to perform abortions on the cases allowed by the law (essentially if the woman has been raped).

Looking at Dilma’s policies, I really can’t see that much of the left, honestly. So why, you might ask, has this victory been deemed a victory of the left over the right? My explanation is the aura the workers party still manages to keep over itself. There’s a notion that whatever PT does, it will still be more to the left than PSDB, which I think is just crazy.

There is also a fair amount of idealizing Dilma just because she is Lula’s protegé. People will forgive anything, provided it is the workers party doing it. Thankfully, the number of people aligned on the left that supported the candidate from PSDB this election tells me this is changing quite rapidly. Hopefully that leads to PT having to reinvent itself, and get in touch with the left again.

II Encontro Nacional de Dados Abertos

Semana passada ficou curta, deixei de fazer um bocado de coisa que queria e apertei o passo em outras pra conseguir passar os dois últimos dias da semana em Brasília no II Encontro Nacional de Dados Abertos, organizado pela SLTI do Ministério do Planejamento e pelo escritório brasileiro da W3C. Valeu à pena!

Em 2010 eu comecei pra coçar uma coceira pessoal com um projeto para coletar e dar melhor visibilidade ao gasto dos parlamentares mineiros com as chamadas verbas indenizatórias. O resultado foi o softwae com nome-código “Montanha”, que era composto de duas partes: 1) um web scraper que entrava em cada uma das milhares de páginas que tinham os dados com uma grande granularidade e os colocava num banco de dados 2) uma aplicação web que exibia os dados em tabelas e gráficos para facilitar a leitura.

Mais pra frente resolvi renomear o projeto para ‘Olho Neles!’ pra ficar mais amigável e registrei um domínio* (http://olhoneles.org/). Em razão desse trabalho eu fui convidado para falar no primeiro ENDA, que aconteceu em 2011, mas infelizmente não deu certo a viagem para Brasília e eu acabei sendo representado pelo Marcelo “metal” Vieira, contribuidor do projeto, que por sorte estava por lá. Fui novamente convidado agora e dessa vez deu certo!

Eu apresentando o olhoneles
Eu apresentando o Olho Neles! foto da Raquel Camargo

A abertura foi muito boa e contou com o presidente da ESAF – Escola de Administração Fazendária, onde aconteceu o evento – que fez um primeiro discurso com um alto grau de auto-crítica governamental. Começou por falar que governo bom é governo que apanha de manhã, de tarde e de noite – o que ele acha que é essencial para manter a administração pública constantemente preocupada com a melhoria e para o quê os dados abertos tem muito a contribuir. Depois afirmou que a Receita Federal é uma instituição de excelência, que recolhe impostos muito bem, mas que falta muita qualidade no gasto dos recursos angariados por ela; “não podemos passar a conta das nossas ineficiências para a sociedade sempre”, disse ele, dando um tapa de luva no próprio governo.

Depois fomos para o evento. Eu confesso que inicialmente suspeitava que o evento seria uma série de palestras falando de projetos com lançamento no futuro, mas fui positivamente surpreso: muitas pessoas estava lá para mostrar suas iniciativas já em funcionamento, com dados já disponibilizados, até mesmo seguindo um princípio de não perseguir o ótimo que é inimigo do bom. Mais de uma apresentação teve um slide com uma variação de “publish early, publish often”, claramente inspirado no “release early, release often” d’A Catedral e o Bazaar, que é uma das pedras fundamentais do pensamento hacker. Alguns citaram o primeiro Encontro Nacional de Dados Abertos como marco inicial das suas iniciativas.

Outra coisa que eu senti é que a maioria das iniciativas não foi algo fortemente institucional – algum tipo de planejameto e definição estratégica sempre era citado, é verdade, e a adequação à Lei de Acesso à Informação certamente teve um papel importante, mas as iniciativas que iam além da mera compliance me deram a clara impessão de terem partido das áreas de tecnologia, com vontade fazer acontecer. Nunca é demais ser lembrado que no serviço público há muitas dessas pessoas que amam fazer acontecer, sou feliz de ter conhecido várias até hoje =).

E conhecer gente foi como sempre o ponto alto do evento pra mim. Apesar de eu não ter feito tudo que queria – acabei deixando de contribuir com a ideia de uma cryptoparty durante o evento, acabei ficando sem assistir à BR080 no final das contas e perdi alguns debates que eu achava importantes – não fiquei muito tempo sem estar com pessoas interessantes, com boas ideias e papo que acrescentou muito pra mim. Tive mais contato com o pessoal do ônibus hacker, do grupo transparência hacker, o que foi muito interessante e proveitoso pra mim.

A minha apresentação (slides em PDF, slides em ODP) correu sem maiores problemas, tirando que eu fiz a apresentação sem meus óculos que estão sem uma das asinhas – fiquei com medo de ninguém conseguir prestar atenção no que eu estava falando por ficar incomodado com os óculos tortos. Fiquei um pouco mais nervoso que o normal de não conseguir sentir o que as pessoas estavam pensando =P.

A recepção foi boa, fiquei feliz de saber que o representante da ALMG gostou de ter um projeto utilizando o trabalho deles de expor os dados através de web services (o que simplificou muito o código do coletor da ALMG no olho neles). Também fiquei feliz de saber que a Câmara Municipal de SP já tem web services para as verbas indenizatórias – taí uma tarefa fácil pra contribuir com o Olho Neles! ;)

Durante a apresentação do representante do Senado, que parece ter uma relação bem estabelecida com o grupo Transparência Hacker, inclusive, fiquei sabendo um pouco mais sobre LexML e sobre as ferramentas que tem sido usadas para ajudar a automatizar o processo legislativo, como o LexEdit, e torná-lo mais transparente. O Jean Ferri, que foi o moderador da sessão me deu alguns detalhes de como funciona a coisa toda e eu fiquei bem impressionado, não achei que estivesse tão avançado assim.

Enfim, fiquei muito feliz de ter sido convidado e de ter participado, muito obrigado à SLTI do Ministério do Planejamento e ao escritório brasileiro do W3C pela iniciativa, keep ‘em coming!

* .org sem .br porque nossas políticas de registro de domínio são blergh e exigem que você seja uma organização formalmente registrada para registrar org.br

Montanha: agora de olho nos vereadores de BH e alguns comentários sobre contribuições

Alguns dos leitores talvez saibam que eu escrevi no meio de 2010 um programa chamado ‘Montanha’. A ideia original do programa era me ajudar a escolher um candidato a deputado estadual me dando uma ideia geral de como os deputados da época gastavam os recursos da verba indenizatória. O site da Assembléia Legislativa de Minas Gerais publica essas informações, mas de uma forma muito inconveniente, tornando absolutamente impossível ter uma idea geral de como os deputados gastam a bufunfa. Obviamente botei o código online e subi uma instância pública para que outras pessoas pudessem fazer o mesmo. Depois disso o grande tevaum se juntou ao time e já adicionamos uma instância para a nova legislatura, que tomou posse em 2011.

Nos últimos dias decidi que com os belorizontinos prestando atenção nos vereadores, dada a polêmica sobre o aumento de salários e o veto pelo prefeito, seria um bom momento para criar o coletor e subir uma instância nova do Montanha, pra observar os gastos dos vereadores. Quem olhar vai notar rapidamente que o projeto ainda está pela metade: ainda faltam informações de partido dos vereadores, os links falam em ‘deputados’ e por aí vai, mas sou fiel ao princípio de release early, release often, então não quis esperar – quando os dados começaram a encher o banco botei o projeto pra fora.

Agora alguns comentários sobre questões que as pessoas me colocam:

Bacana! Se precisar de ajuda tamos aí!

Obrigado! Esse é um projeto de software livre – o código está sob a Affero GPL3 e sua contribuição é bem-vinda. Eu acredito firmemente em outro princípio: talk is cheap; show me the code. Eu não pretendo organizar/coordenar os esforços de outras pessoas, então não espere que eu peça ajuda para algo específico ou pegue na mão, sinta-se à vontade para clonar o projeto, fazer as modificações que achar que devem ser feitas e propô-las, não posso garantir que alguma coisa será incorporada ao meu branch, mas estou disposto a discutir questões de design/planos e responder dúvidas sobre o código – no canal #linux-bh da freenode, principalmente =).

Quais os planos pro futuro?

O meu TODO imediato é (e sinta-se à vontade pra roubar qualquer um e fazer):

  • colocar os dados de partido nos dados da Câmara Municipal de BH
  • mudar a interface do montanha para não falar em ‘deputados’, mas em ‘parlamentares’
  • escrever um coletor para os dados anteriores a março de 2010 da CMBH
  • melhorar a linkabilidade das pesquisas – deixar que você envie um link da visão de todos os gastos, por exemplo, com uma busca já feita
  • escrever alguns posts no Observador Político e no Trezentos chamando a atenção para algumas informações expostas pelo montanha
  • adicionar mais gráficos – gasto sobre tempo, por exemplo
  • melhorar a informação que o sistema dá a respeito do período coberto pelos dados
  • aumentar a quantidade de trivia exibida na página de detalhes de parlamentar
  • criar uma página com detalhes e trivia para fornecedores

Por que você não coloca esse projeto no Transparência Hacker (ou outro grupo)?

A minha resposta para esse tipo de pergunta tem sido ‘por quê eu deveria’? Não é que eu seja um lobo solitário, mas eu acho que só faz sentido participar de um projeto específico se houver alguma razão para tal. Visibilidade não me preocupa muito – a mensagem sempre acaba chegando em quem se interessa e em quem me interessa que ela chegue.

Eu não acredito que participar de um grupo – qualquer grupo – seja garantia de contribuidores, também; como eu disse, talk is cheap e disso eu tenho certeza de que acharia muito num grupo, mas acredito que as pessoas que quiserem contribuir vão contribuir independente de estar dentro de um grupo (como o Estêvão faz). Se um pedaço grande da contribuição vier de pessoas que fazem parte de um grupo e fizer sentido discutir o projeto dentro dele, aí sim eu veria sentido, por exemplo.

Uma última preocupação, essa específica com o thack, é que o foco do grupo me parece muito diferente do meu. Meu objetivo é que a sociedade tenha uma ferramenta para observar seus parlamentares. Para que isso aconteça é preciso que a ferramenta tenha uma vida mais longa e seja mantida. Os dados sobre a legislatura passada da ALMG, por exemplo, já foram retiradas do site da ALMG, mas o Montanha continua lá, a sociedade continua tendo acesso não só a todos dados, como a uma visualização mais razoável deles. Eu não estou prometendo que vou manter pra sempre, claro, principalmente porque faço isso no meu tempo vago (em que eu também trabalho pro Debian, GNOME, como, durmo e me divirto), mas a minha ideia é focar nesse um problema e ter uma boa solução razoavelmente perene.

A maioria das coisas que eu vi do thack são hacks muito bacanas, mas sua vida parece ser muito curta – assim que um hack está pronto outra ideia legal aparece e aquela é deixada para trás; essa bola já foi levantada por outras pessoas, inclusive, como exemplo de por quê grupos como o thack não são a solução definitiva para o problema de dados abertos e de por quê concursos de criação de app não substituem um trabalho sério dentro do governo; não é incomum achar coisas com dados de anos atrás ou que sequer continuam funcionando. Note que eu não tenho nada contra o thack, per se, muito menos contra as pessoas que o compõe – eu os considero colegas e amigos, eu só acho que nós surfamos ondas diferentes e isso me faz achar que eu não agregaria valor ao grupo e vice-versa. Obviamente posso ser convencido do contrário eventualmente =)

A incrível estória do plano que nasceu morto – Parte 1

Das coisas engraçadas que eu ouvi enquanto assistia o streaming do segundo encontro dos blogueiros progressistas nenhuma superou a resposta do Paulo Bernardo quando questionado sobre por que não se colocava banda larga sob regime público. O Ministro argumentou que o Estado não tinha dinheiro para fazer tudo sozinho, então que precisaria da ajuda das empresas privadas.

Ou o Ministro achou que o questionador não sabia do que estava falando ou não sabia ele mesmo. A diferença entre regime público e regime privado não tem nada a ver com quem faz o investimento ou presta o serviço, mas tem muito a ver com a forma que esse serviço é prestado, que metas são estabelecidas e que recursos podem ser utilizados. Diz a Lei Geral de Telecomunicações:

Art. 63. Quanto ao regime jurídico de sua prestação, os serviços de telecomunicações classificam-se em públicos e privados.

Parágrafo único. Serviço de telecomunicações em regime público é o prestado mediante concessão ou permissão, com atribuição a sua prestadora de obrigações de universalização e de continuidade.

Art. 64. Comportarão prestação no regime público as modalidades de serviço de telecomunicações de interesse coletivo, cuja existência, universalização e continuidade a própria União comprometa-se a assegurar.

Parágrafo único. Incluem-se neste caso as diversas modalidades do serviço telefônico fixo comutado, de qualquer âmbito, destinado ao uso do público em geral.

http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/leis/L9472.htm

Ou seja, se o serviço está em regime público o Estado está comprometido com assegurar sua universalização e a empresa é concessionária do serviço e tem que se pautar pela regulação do Estado no setor. Não só isso, mas poderá dispor dos recursos do FUST, como já bem lembrou João Brant. Hoje somente a telefonia fixa está em regime público, portanto só as empresas que prestam serviços de telefonia são consideradas concessionárias de serviço público, mas a prestação de serviço de banda larga não.

Então quando o participante perguntou ao Ministro: “por que não colocar banda larga em regime público?” ele não estava querendo saber por que o Estado não atuava como (único?) empresário do setor, mas sim se o governo teria bolas pra chamar pra si os deveres e a queda de braço que transformar a banda larga em serviço público concedido trariam. A própria LGT fala o que é preciso pra isso:

Art. 18. Cabe ao Poder Executivo, observadas as disposições desta Lei, por meio de decreto:

I – instituir ou eliminar a prestação de modalidade de serviço no regime público, concomitantemente ou não com sua prestação no regime privado;

http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/leis/L9472.htm

Pelo visto o governo não tem bolas pra isso, não. Aí com certeza vai vir alguém e falar de algum impedimentozinho como “a iniciativa tem que partir da ANATEL”. Todos os conselheiros da ANATEL hoje foram indicados por Lula. Além disso, se julgarem necessárias mudanças na lei, ora, façam! Não teve muita dificuldade em mudar o Plano Geral de Outorgas para permitir a fusão da Oi com a BrT, teve?

Se você é petista daqueles que gritaram ForaFHC e adoram colocar nele a etiqueta de neoliberal é um bom momento para se deliciar com as ironias de a ação do governo petista estar se mostrando menos alinhada com um Estado regulador e garantidor da universalização, mesmo que uma lei aprovada por FHC dê a ele os mecanismos para isso.

PNBL: o governo devia começar por fazer o dever de casa

Originalmente publicado no Trezentos

O papel do Estado

O Brasil tem um fenômeno interessante. Nós tendemos a transformar qualquer discussão a respeito de uma política ou prática específica em discussão genérica a respeito de conceitos mais gerais, filosóficos, acadêmicos. Uma discussão a respeito de como avançar na disponibilidade, preço e qualidade da Internet no país acaba se tornando uma discussão a respeito do papel do Estado e não faltam teorias conspiratórias e pré-concepções a respeito dos modelos que podem ser adotados. Normalmente os problemas mais mundanos e reais, como o governo sendo simplesmente incompetente para cumprir qualquer que seja a escolha ficam de fora. Para evitar essa discussão cito a lei 9.472, de 1997, que organiza os serviços de telecomunicação e cria a ANATEL e que usarei como ponto de partida da minha argumentação:

Art. 2° O Poder Público tem o dever de:

I – garantir, a toda a população, o acesso às telecomunicações, a tarifas e preços razoáveis, em condições adequadas;

II – estimular a expansão do uso de redes e serviços de telecomunicações pelos serviços de interesse público em benefício da população brasileira;

III – adotar medidas que promovam a competição e a diversidade dos serviços, incrementem sua oferta e propiciem padrões de qualidade compatíveis com a exigência dos usuários;

IV – fortalecer o papel regulador do Estado;

V – criar oportunidades de investimento e estimular o desenvolvimento tecnológico e industrial, em ambiente competitivo;

VI – criar condições para que o desenvolvimento do setor seja harmônico com as metas de desenvolvimento social do País.

O arcabouço jurídico das telecomunicações no Brasil

É do interesse do país que haja Internet de alta velocidade a preço baixo e disponível para todos os brasileiros. O Estado brasileiro decidiu, na década de 1990, que o sistema de telecomunicações do país, até então um monopólio estatal, deveria ser concedido à iniciativa privada para acelerar investimentos e aumentar o alcance do serviço. Sem entrar no mérito da concessão, que mereceria uma discussão separada, vieram com ela algumas mudanças institucionais: a criação de uma agência reguladora, a ANATEL, pela lei 9.472, já citada acima, a criação, no ano 2000, de um fundo para universalização, o FUST, Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicação, pela lei 9.998 e do FUNTTEL, Fundo para o Desenvolvimento Tecnológico das Telecomunicações, pela lei 10.052, também de 2000.

A ANATEL ficou responsável por fazer a fiscalização das empresas, garantindo que elas cumprissem suas metas de universalização, por regulamentar o setor e por cuidar dos leilões de concessões a novos serviços de telecomunicações que aparecessem conforme a tecnologia se desenvolvesse. Os fundos foram criados para garantir que existiria financiamento privado para que as empresas atendessem os setores menos lucrativos e comercialmente interessantes. Financiamento privado porque o dinheiro que alimenta os fundos vem da receita bruta das concessionárias de telefonia.

A lei 9.998 estabelece que os recursos do FUST deveriam ser usados em “consonância com plano geral de metas para universalização de serviço de telecomunicações ou suas ampliações […]”. Pela sua descrição o FUST soa como uma boa solução para investimentos em banda larga, mas há quem diga (erroneamente, na minha opinião) que há problemas legais que impediriam esse uso. Esse tema já foi bem discutido no Trezentos pelo colega João Brant, portanto não vou aprofundar muito.

Um primeiro passo em direção a uma melhor Internet para os brasileiros

O Plano Nacional de Banda Larga é uma iniciativa do Governo Federal que pretende levar, com uma rede operada por uma estatal, financiada inicialmente com recursos do tesouro nacional, Internet barata para lugares em que a iniciativa privada não chega. Há também, claramente, a intenção de criar competição no mercado para fazer com que as operadoras privadas baixem seus preços. Eu particularmente acho a ideia interessante, mas acredito que antes de tentar vôos mais longos como esse o Governo precisava começar por fazer a lição de casa com o que já existe.

O descaso com a fiscalização, com os bens públicos e com o FUST

Apesar de o dever do Poder Público ser, como diz a lei 9.472, fortalecer o papel regulador do Estado, o que se viu nos últimos anos foi omissão e descaso com o setor de telecomunicações (e com alguns outros, diga-se). A ANATEL, que devia fiscalizar o setor está há anos e anos com grande parte do seu orçamento contingenciado, impedindo que a agência exerça seu papel. Além de falta de orçamento há também descaso com os bens públicos. As concessionárias tem em sua posse diversos bens chamados “reversíveis”, que devem voltar ao Estado ao final da concessão, que se dará em 2025. É dever da ANATEL acompanhar e aprovar qualquer tipo de transação com esses bens, mas as empresas tem feito o que bem entendem e a ANATEL sequer tem uma lista dos bens considerados reversíveis. Finalmente a ANATEL reconheceu o problema e avisou que vai aplicar multa. A pergunta que fica é: a multa vai ser paga mesmo?

Digo isso porque além de fazer o que bem entendem com os bens públicos, as concessionárias também não tem se dado ao trabalho de pagar as multas que lhes são aplicadas. Esse não é um problema exclusivo do setor de comunicações, diga-se de passagem: segundo estudo do TCU que infelizmente só começou em 2008, de todas as multas aplicadas de 2008 a 2010, só 4,7% foram recolhidas. Era de se esperar que as entidades tivessem entrado na justiça para obrigar as empresas a pagarem, não é? Mas não. Incluindo as cobranças que estão na justiça chegamos a míseros 5,6%.

Com a palavra o TCU:

A reduzida arrecadação de multas afeta de forma significativa a credibilidade do poder sancionador do Estado, exigindo que providências sejam adotadas para que as cobranças administrativa e judicial sejam realizadas de forma mais tempestiva e eficaz.

Em outras palavras, não há incentivo para as empresas agirem de forma responsável e cumprirem suas obrigações, já que mesmo que sejam multadas não precisam pagar e está tudo bem, não haverá sanções. Não é de assustar que bueiros continuem explodindo na cidade do Rio de Janeiro e que metas de universalização estipuladas não sejam cumpridas pelas teles, não é? Metas de universalização que, diga-se de passagem, a ANATEL não parece muito empenhada em defender quando cria novos planos, retirando das metas pontos já estabelecidos anteriormente em troca de benefícios duvidosos para os interesses do país

A falta de concorrência

Existe uma tendência a acreditar que falta de concorrência faz com que os serviços fiquem piores e mais caros. Faz sentido: se você faz questão de ter internet e só tem uma escolha você vai ter que aceitar o que tem. Nas grandes cidades brasileiras hoje há certamente mais de uma opção disponível, mas ainda assim se acredita que a falta de concorrência é um fator importante no geral.

O governo não ajudou muito também nesse quesito. Em 2008 a Brasil Telecom andava mal das pernas e começou um papo de fusão com a Oi. Havia diversas soluções possíveis, inclusive a pulverização das ações dos sócios que não queriam mais participar. Naquele momento, no entanto, uma fusão era uma alternativa que não existia, por ser vedada pelo Plano Geral de Outorgas. O governo federal dizia não comentar o assunto por ser um assunto “privado”, mas não escondia a insatisfação com a pulverização e já começava a falar na importância de ter uma “grande tele nacional”. Pois bem. Acertadas as tratativas entre os acionistas da Oi e da BrT, o governo não demorou em alterar o Plano Geral de Outorgas, permitindo que a fusão acontecesse. A fusão também foi permitida pelo CADE e pela ANATEL e foi financiada com empréstimo subsidiado do BNDES. Belo jeito de incentivar a concorrência, não acha?

Não demorou muito tempo também para o conto da carochinha que era a história da “grande tele nacional” caísse por terra, com o próprio governo brasileiro intermediando a aquisição de um pedaço da Oi pela Portugal Telecom. Me parece que fica claro que o governo é muito bonzinho com aqueles grandes capitalistas que são amigos do rei – isso não é novidade nenhuma, na verdade: o Estado brasileiro é amigo dos grandes historicamente. Triste né? Isso porque eu nem falei ainda de como a Oi ajudou o filho do Lula (um dos que ganhou passaportes especiais e não devolveu até hoje) a enriquecer investindo rios de dinheiro na recém-criada empresa de jogos. O Brasil é realmente o país das oportunidades!

A pura e simples incompetência

Eu costumo brincar que se nós vivessemos no Brasil anunciado nós estaríamos muito bem. Pena que nós vivemos no Brasil real, aquele que acontece de fato, à revelia dos anúncios e promessas de candidatos e governos. Eu não acredito em nada que o governo anuncie, eu espero pra ver. Por quê? Porque algo que é anunciado acontecer de fato é praticamente a excessão. Quando acontece, demora muito mais do que o anunciado. Pra ficar só no PNBL, no meio de 2010 o governo anunciava aos quatro cantos que até o final do ano teria 100 cidades já atendidas pelo PNBL.

Pra quem conhece a lerdeza e a incompetência do governo mesmo para fazer o básico já era bem óbvio na época do anúncio que não passava de um embuste, talvez com a intenção de dar sustância à campanha da candidata da situação, ou talvez fosse só otimismo injustificado mesmo. Eu prefiro não ver malícia no que pode ser visto como pura incompetência, de qualquer forma tenho certeza de que muita gente acreditou no anúncio. Em dezembro a Telebrás fez novo anúncio, como se nada tivesse acontecido, falando que em abril de 2011 seria alcançada a meta das 100 cidades. Eu não sei vocês, mas a mim me parece que já é junho. Foi só em maio que a Telebrás, a Petrobrás e a Eletrobrás conseguiram chegar a um acordo com relação ao uso das fibras das últimas pela primeira. Isso porque são todas estatais, teoricamente controladas pelo poder público. Como se tinha tanto otimismo com o tempo não sei, mas não custa dar a impressão de que o governo é ágil aos mais desavisados, né?

Conclusão

Eu acredito que um Plano Nacional de Banda Larga é de extrema importância para o Brasil. As comunicações são um mercado complexo, oligopolizado, que precisa de investimentos vultuosos e exige interferência do governo para corrigir falhas de mercado e garantir os interesses dos cidadãos brasileiros e do país. Acreditar que o plano vai dar certo são outros quinhentos. Eu gostaria de ver o governo pelo menos cumprir o básico daquilo que já está na lei, que já é interesse do povo brasileiro ao invés de continuar sendo bonzinho com os grandes empresários amigos.

Um primeiro passo para a universalização da banda larga é o governo federal fazer o dever de casa.

Governo Federal e a Internet. Tá me zoando, né?

Em uma nova tentativa de demonstrar que o apoio aos padrões abertos e ao software livre pelo Governo Federal está mais no discurso que nas ações o Blog do Planalto publica transcrições dos discursos da presidente em documentos no formato binário proprietário gerado pelo Microsoft Word (exemplo).

Ao tentar registrar minha sugestão de que não faz sentido isso já que discursos não passam de texto simples e poderiam muito bem ser publicados em um formato muito mais conveniente (como, tcharãn, HTML, que é usado no próprio blog) sempre me deparo com a seguinte mensagem:

Falha ao enviar sua mensagem. Por favor tente mais tarde ou contacte o administrador de outra forma.

Muito bem. Qual exatamente é a outra forma? Já que eu não achei uma, vai em forma de blog e mensagem no (argh) twitter, imagino.
Blog do Planalto me ajudando.
Como se eu já não estivesse chateado o suficiente com a forma como o governo se relaciona comigo pela Internet (estou olhando pra você também IRPF), recebo hoje um email:

From: Ministério da Saúde
To: gustavo@noronha.eti.br
Subject: Dengue. Se você agir, podemos evitar.
Date: Wed, 23 Feb 2011 01:00:22 +0000 (02/22/2011 10:00:22 PM)

Nham. O email é da campanha contra a dengue, mas vários links apontam para URLs no domínio dilma.com.br, como você pode ver na cópia do email que eu coloquei aqui. Eles de fato levam pra página da campanha, mas não é estranho? Exemplo:

<p>Caso não queira mais receber e-mails, clique <a href=”http://dilma.com.br/page/m/3ef9c647/5f18969f/7fea378b/25000d2e/1178116369/VEsE/”>aqui</a>.</p>

E o domínio é de fato registrado para a pessoa física Dilma Vana Rousseff:

kov@couve:~$ whois dilma.com.br | head -n 13 | tail -n 4
domain: dilma.com.br
owner: DILMA VANA ROUSSEFF
ownerid: 133.267.246-91
country: BR

Tendo em vista que eu não me cadastrei em lugar nenhum para receber emails do Ministério e que é muito estranho o domínio pessoal da Dilma ser usado na campanha da dengue do Ministério, eu quis contactar o Ministério da Saúde a respeito. Aí eu fui no lugar óbvio: Fale conosco do site do Ministério. Isso nos leva para uma página onde se pode registrar uma mensagem, depois de clicar uns links sobre ter entendido os termos. Acontece que essa é a página:
Site de fale conosco da saúde me ajudando muito.
*clap* *clap* *clap*

A melhor energia do Brasil não é assim tão boa no meu bairro

A CEMIG é a empresa prestadora de energia elétrica em Minas Gerais. É uma empresa de capital misto controlada pelo governo do Estado. Recentemente a CEMIG tem feito propaganda com frequência ultimamente por ter ganho grande reconhecimento no mercado financeiro como empresa que se preocupa com uso racional de energia. O slogan da campanha é “A melhor energia do Brasil”.

Tudo isso me deixa, como mineiro, muito orgulhoso, mas minha experiência pessoal com a qualidade da CEMIG poderia melhorar bastante. Além do fato de que o bairro Ouro Preto, onde estou morando agora, tem quedas de energia frequentes por quase qualquer chuva e de nós já termos ficado 15 horas sem energia num final de semana, há algo que me preocupa mais; isso aqui:

A melhor energia do Brasil

Esse cabo está aí pendurado há alguns meses. Parece ser a borracha de isolamento do cabo que saiu em parte do cabo. Já há mais de um mês eu liguei para a CEMIG e avisei do cabo, mas tudo que eu recebi de resposta foi um ‘avise às pessoas que não é pra encostar no cabo’. Essa primeira foto é do dia 2 de abril, bastante tempo depois do aviso. O cabo continuava lá no dia 17 (foto a seguir), e continua lá hoje.

Continua lá

Dessa vez reclamei foi pra ouvidoria, vamos ver se eles vem tirar esse cabo dali.

Um exemplo de Brasil

No começo dessa semana, o programa CQC (de quem eu ainda espero alguma piadinha pela mancada do Bóris, btw, porque isso é uma vergonha ;D) nos prestou um serviço importantíssimo: colocou nua e cruamente na TV um flagrante de funcionários públicos se apropriando de uma doação de TV de plasma feita pelo programa com um GPS dentro para que se soubesse onde foi parar. Mas não sem antes ter a exibição censurada por uma juíza sem noção que acatou um pedido de liminar do prefeito da cidade de Barueri, Rubens Furlan (PMDB – ugh).

Santa tecnologia, Batman. Mas o mais triste dessa história não foi essa instância em si ter ocorrido. O triste é que esse é só um exemplo do que acontece praticamente todos os dias, em praticamente todos os lugares do Brasil. O triste mesmo é que a chance de que cada um de nós tenha gente próxima – amigos, familiares que fazem coisas do tipo é muito alta.

E o pior mesmo é que essas mesmas pessoas reclamam da corrupção dos políticos, talvez tenham se indignado com o exibido no quadro, mas no dia seguinte foram para seus empregos públicos torrar dinheiro dos cidadãos imprimindo convites de festa dos filhos na gráfica do órgão, deixando de declarar ligações pessoais feitas em telefones celulares funcionais, passando gente conhecida na frente em serviços públicos, dando carteirada para entrar em shows e bares. Quem não conhece gente que, assim como as pessoas exibidas na reportagem, confundam o público com o privado? Eu conheço e conheci um monte na minha vida, até aqui.

Quando eu trabalhava no Ministério do Desenvolvimento Social, por exemplo, indo de um prédio a outro no carro do Ministério, para uma reunião, presenciei uma das cenas mais insólitas da minha vida: o motorista se gabava de como trabalhava “voluntariamente” num hospital público e falava de como estava se “agarrando” a um deputado que o poderia oficializar como funcionário no hospital. Para demonstrar quão bom ele era para o hospital, descreveu casos em que passou gente na frente em filas de atendimentos. “Que benção!” foi a resposta dos outros funcionários. “Benção”? Pra mim isso é crime. Claro que ele ajudou algumas pessoas, mas em detrimento de quantas? Pra exemplificar numa escala de dano reduzida, sabe aqueles motoristas que, numa fila, saem para o acostamento e voltam à pista quando encontram um obstáculo no acostamento? Eles se deram bem, mas todos os carros que estão entre a posição que eles ocupavam e a nova posição foram prejudicados. Que direito eles acham que têm de causar esse dano a tantos?

Num evento de Software Livre em Goiás que participei um tempo atrás conheci um policial civil que se gabava de encher o computador do trabalho de vídeos e músicas e de dar carteirada para entrar em shows e bares. Na primeira menção nossa de que isso não era muito bacana ele insinuou rapidamente que era melhor nós tomarmos cuidado com o que iríamos falar, porque ele nos poderia prender por desacato.

Eu poderia continuar dando exemplos um atrás do outro aqui. O triste não é o caso de Barueri. O triste é saber que isso é praticamente a regra, que se você vai contra a regra é em geral considerado “bobo” e principalmente que a maioria das pessoas que são corruptas não consideram sua corrupção “tão ruim quanto” a dos políticos e ainda tem a cara de pau de reclamar dos deputados que fazem como eles e se aproveitam da máquina, ou de ficar pegando no pé do presidente da República. Sinceramente, a corrupção é muito mais danosa e muito mais difundida pra baixo do segundo escalão.

No Brasil, se já não bastasse o gigantesco corporativismo dos funcionários públicos, pessoas que não fazem parte do funcionalismo acabam por defender os marajás (pelo menos quando não estão na fila de uma repartição). Por quê? Porque o sonho brasileiro é ser funcionário público, ter estabilidade garantida e poder trabalhar quando quer, então não existe interesse em tirar vantagens da posição que é cobiçada.

O que o CQC nos prestou foi um serviço importantíssimo. Foi uma injeção de indignação, que sempre faz falta para lembrar de quanto ainda falta para nós evoluirmos como sociedade. Espero que eles exponham mais e mais casos como esse. Quem sabe as pessoas não começam a ter vergonha de serem corruptas?

E ao Rubens Furlan eu quero desejar que reconsidere o significado dos seus vinte e quatro anos de “luta pela democracia” e se olhe no espelho. Babaca.

Regulamentação da profissão

Eu sei que estou atrasadão pra comentar a proposta de regulamentação da profissão de analista de sistemas, mas eu pensei muito a respeito nos últimos tempos e queria expôr minha opinião. Lendo o texto aprovado pela CCJ, o que me vem à cabeça é o quão limitada e de visão de pouco alcance é a lei proposta. Ela me soa assumindo que todo tipo de desenvolvimento feito no Brasil é relacionado a “tecnologia da informação”, aqueles sistemas cheios de cadastros, que em geral são formados por um banco de dados SQL e uma interface (mal-)feita para manipular o banco, por grandes times de profissionais meia boca num modelo de “fábrica”.

Lendo o texto você consegue imaginar desenvolvimento de sistemas operacionais, compiladores, interfaces de usuário revolucionárias, ou qualquer outra coisa não-TI, feita por um time pequeno, de gente extremamente qualificada (e com isso eu quero dizer gente competente mesmo, não com títulos), fazendo um trabalho altamente técnico? Eu não. Mas a coisa que mais me faz achar a lei estranha é isso:

É privativa de Analista de Sistemas a responsabilidade técnica por projetos e sistemas para processamento de dados, informática e automação, assim como a emissão de laudos, relatórios ou
pareceres técnicos.

Sabe o que eu leio nesse parágrafo? Eu leio o seguinte: o governo e algumas empresas são incompetentes e têm perdido muito dinheiro por não saber contratar desenvolvimento de software, as empresas de software são incompetentes e preferem mascarar processos e contratar gente incompetente pagando pouco a fazer um trabalho sério de desenvolvimento e gerência de projetos. Para resolver isso, nós colocamos a culpabilidade jurídica pela falha no profissional, e torcemos pra tudo melhorar. Alguém mais cansou de ver essa realidade no governo?